Na minha vida eu sempre quis ter o controle de tudo, planejar tudo… E sempre surtei quando as coisas fugiam desse controle! Não sei se todos assistiram, ou lembram, mas adoro essa cena, do filme Vida de Inseto, da Disney, as formiguinhas estão andando em fila, seguindo o seu trajeto, e cai uma folha no caminho, a formiguinha se desespera, e grita ‘me perdi’ … Então uma outra formiga, mais equilibrada, a ajuda a contornar a folha, e tudo bem, não foi o fim do mundo, ela conseguiu seguir, e no final chegou ao seu destino. Eu sou a formiguinha, quando alguma coisa, algum detalhe, foge do meu controle, eu perco o foco, eu acho que está tudo perdido, eu entro eu pânico, sendo que eu posso apenas ‘contornar a folha’. E o que mais é a maternidade, do que uma total perda de controle?! E por isso, durante anos, eu tive medo de pensar na possibilidade de ser mãe, de me permitir navegar por mares desconhecidos, e muitas vezes incontroláveis, das folhas que poderiam cair no caminho. Só que um dia, a gente muda, resolvemos encarar novos desafios, e eu resolvi encarar esse novo mundo…

 

 

Claro, que maníaca por controle, eu estou tentando dominar o máximo da situação, em quanto, e o quanto, eu posso. No final de 2017, resolvemos que era hora, e o plano começou. Nós mandamos fazer um quarto planejado! Siiiiiim, antes mesmo de parar o anticoncepcional, meu bebê, já tinha um quarto pronto, estão entendendo sobre ser maníaca por controle? Eu tinha muito medo de deixar para fazer durante a gestação, e devido as contas com médicos, exames, não conseguir pagar tudo! E não abria mão de fazer um quarto para o meu filho, como sempre sonhei em ter. O quarto foi feito, ok! Agora precisamos de um plano de saúde, pesquisei, me informei, e em janeiro do ano passado, contratamos um plano de saúde. Com antecedência, calculando a carência do plano, fechamos em janeiro, eram dez meses de carência, parei de tomar a pílula em março, porque ai estaríamos cobertos pelo plano quando chegasse o momento do parto… Tudo muito bem programado, planejado, mas… Ai, eu perdi o controle! Total…

 

Eu tinha certeza, vocês não fazem ideia do quanto, de que eu iria parar o contraceptivo em março, e em abril, eu estaria grávida! Sim gente, eu achei que conseguiria dominar até a natureza, e ai veio a primeira lição, de que não se pode controlar tudo, os meses que se seguiram foram para eu me preparar, entender que nem sempre vamos conseguir dominar tudo, e que tudo tem seu tempo, e nem sempre é o nosso, ou o que achávamos que era. A cada ciclo, era a mesma história, iniciava com expectativa, fazia o que se espera… O fim do ciclo chegava, os atrasos, todos os meses atrasaram, e cada detalhe, já virava sintoma, aquela certeza, perdi as contas de quantos testes de gravidez eu fiz, e as decepções, o choro, a vontade de desistir, o medo de ter algo errado, de nunca conseguir… E outro ciclo iniciava, e tudo de novo. Uma amiga me disse, ‘eu sei o que tu estas sentindo, mas quando tu conseguir engravidar vai parecer que foi tão rápido, vai ter até saudade desse período’, e realmente, essa folha, eu contornei, e cheguei onde queria, e toda a minha angustia, decepção, até raiva as vezes, foram desnecessárias, foi uma energia que gastei, que não precisava, eu não posso controlar tudo, e precisava aprender isso, antes de engravidar…

 

E todos me diziam,’ tu só vai engravidar, quando desencanar’. Para as ansiosas como eu, uma ótima notícia, eu nunca desencanei! Eu sempre pensei nisso, pelo menos uma vez por dia, fazia parte da minha rotina, orações, planejamentos… Meu médico me orientou que poderia levar até uma ano, para eu engravidar, e quanto mais essa data se aproximava, mais eu desanimava. O que aconteceu, é que eu achei que não ia conseguir, meio que desisti, pensei que iria precisar investigar, talvez encarar algum tratamento. Então, segui desejando, querendo, tentando, mas sem ter muita certeza de que iria conseguir. O mês de dezembro chegou, e ‘nada’, segui minha vida… Fiz uma progressiva no cabelo, comi sushi, chegaram as festas, tomei vários porres, fiz uma tatuagem, afinal de contas, eu não consigo engravidar…

 

Nos dias seguintes ao Natal, eu senti muitas cólicas, e notei o seio inchar, e achei que iria menstruar, estava indo para praia, fiquei até chateada, mas não veio, e como sempre atrasava, não me dei conta. No primeiro dia do ano, estávamos com uns amigos, e a minha amiga me disse, tu não está grávida? Eu achei aquilo absurdo, mas… Fui fazer minha tatuagem no dia seguinte, normal. Como eu estava fora da minha rotina, e comendo a mais do que normalmente, atribui o aumento dos seios, e até um volume abdominal, como ganho de peso nas férias, e achei que teria muito trabalho quando voltasse para a academia. Mas em meio ao desanimo, e achar que não conseguiria, tinha sempre a expectativa, a esperança. Quando cheguei das férias, fui ao mercado, passei em uma farmácia, e comprei um teste, e estava com uns quatro dias de atraso, mas tinha certeza de que não estava grávida, que era mais um teste para dar negativo. Quando apareceu positivo, eu não sabia o que fazer, o que pensar, e duvidei do resultado, tanto que não contei para o meu marido, apenas para a minha amiga Ana. No dia seguinte fiz um exame de sangue, o bhcg, e eu não só estou grávida, como estava de seis semanas!

 

Siiim, eu estou grávida, e esse é o primeiro texto, de uma série…

 

Bom pessoal, esse é o meu recado de hoje, de quando eu tentei controlar, e fui controlada… Volto na semana que vem, contando como foi a revelação para o papai! Beijos e até a próxima quinta…

 

1 Comentário
  1. Gabriela Kanopf 9 meses atrás

    Aí Dani super feliz em ver que será mamãe,e tenho certeza que serás uma excelente mãe 😍😘😘😘

Envie uma Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

*

FALE CONOSCO

Nos envie seu um e-mail e nós retornaremos para você, o mais rápido possível.

Enviando

©2019 BLOG DE TODAS desenvolvido com muito amor.

Fazer login com suas credenciais

ou    

Esqueceu sua senha?

Create Account

Pular para a barra de ferramentas